sexta-feira, 27 de maio de 2011

Você estudou? Bem feito!!!

É O TRIUNFO DAS NULIDADES: o Brasil vai bem, obrigado, para os parasitas, para os que nada produzem e para os políticos...

Ronaldinho Gaúcho : R$ 1.400.000,00 por mês. - "Homenageado na Academia Brasileira de Letras"...
Tiririca : R$ 26 mil e uns quebrados, por mês, fora os auxílios e mordomias; - "Membro da Comissão de Educação e Cultura do Congresso"...
Piso Nacional dos professores: R$ 1.187,00... sem comentários ¬¬

Moral da História:
Os professores ganham pouco, porque só servem para nos ensinar coisas inúteis como: ler, escrever e pensar.

Sugestão: mudar a grade curricular das escolas, que passaria a ter as seguintes matérias:

- Educação Física:
Futebol.. e é só isso!!!

- Música:
Sertaneja
Pagode
Axé

- História:
Grandes Personagens da Corrupção Brasileira
Biografia dos Heróis do Big Brother
Evolução do Pensamento das "Celebridades"
História da Arte: Carla Perez e Gugu

- Matemática:
Multiplicação Fraudulenta do Dinheiro de Campanha
Cálculo Percentual de Comissões de Falcatruas e Propinas

- Português e Literatura :
?????????????????????? Pra que ????????????????

- Biologia, Física e Química :
Excluídas por excesso de complexidade (complecsi-o-quê? oO)


É uma pena , mas é verdade!!!!
(recebido por e-mail)

terça-feira, 17 de maio de 2011

Entenda como funciona um Coral (piada pronta!)

Postado por um amigo no facebook, artigo bem engraçado!


AS VANTAGENS DE SER... SOPRANO:

1. O resto do coro só existe pra fazer com que você apareça mais
2. Você pode entreter seus amigos quebrando suas taças de vinho.
3. Você se lembra de alguma ópera onde a contralto ficou com o homem no final?
4. Quando as sopranos querem cantar no chuveiro, elas sempre sabem a melodia.
5. Você pode cantar junto com o CD do Ney Matogrosso ou Edson Cordeiro.
6. Sopranos não têm TPM... Pelo menos até hoje ninguém notou a diferença!
7. Stress... Tensões... Fadiga... Nada que uma boa nota aguda não
resolva! (Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhh!!!)


AS VANTAGENS DE SER... CONTRALTO:

1. Você se torna "expert" em cantar Mi bemol. (boa!! Rsrsrs)
2. Você pode cantar a mesma nota por 12 compassos consecutivos!
3. Você não precisa aquecer a voz para cantar 12 compassos consecutivos.
4. Se o coro cantar mal, é improvável que as contraltos levarão a culpa.
5. Muito tempo pra bater papo durante os solos de soprano.
6. Você pode fazer de conta que é melhor do que as Sopranos, afinal,
todo mundo sabe que as mulheres só cantam soprano pra não ter que
aprender a ler música.
7. De vez em quando você pode fazer um "bico", ajudando o tenor
(aliás, dizem as más línguas que o tenor é um contralto com defeito de
fabricação...hehehe...)
8. Quando as sopranos sustentam alguma nota extremamente aguda no
final de uma música, as contraltos sempre têm a última palavra.
(inteligentíssima essa!!)
9. Quando as contraltos erram uma nota, ninguém dá muita importância.
10. Se o regente resolve fazer um trabalho de desaquecimento vocal no
final do ensaio, as contraltos podem sair mais cedo. (kkkkkkkk)


AS VANTAGENS DE SER... TENOR:

1. Os tenores ficam "altos"- sem usar drogas
2. Qual é o musical em que o Baixo fica com a mocinha??
3. Você pode mostrar para as Sopranos como se deve cantar.
4. Você já viu alguém pagar 1.000 dólares para ouvir "Os Três Baixos"??
5. Quem precisa de cérebro quando se tem ressonância?
6. Tenores não perdem tempo na seção "auto-ajuda" das livrarias.
7. Quando você desenvolve um bom Falsete, pode fazer muito dinheiro
dublando personagens de desenho animado.
8. O canto gregoriano foi praticamente inventado para tenores.
9. Ninguém inventou um gênero para os baixos. (boa!! Hahahaha)
10. Você pode entreter seus amigos fazendo imitações de Michael Jackson.
11. Tenores não precisam usar cuecas (isto é roupa de... BAIXO!)


AS VANTAGENS DE SER... BAIXO:

1. Você não tem que apertar as calças para alcançar sua nota
2. Você não precisa se preocupar com uma mulher roubando o seu
emprego... Ou com um pré-adolescente roubando o seu emprego.
3. Os heróis de ação são sempre Baixos. Isto é - se eles cantassem,
cantariam baixo.
4. Você tem a chance de cantar textos profundos e memoráveis como
"bom, bom, bom"... E pra variar "tum, tum, tum..." (a melhor!
Kkkkkkkkkkkkkk)
5. Se cantar não der para o sustento, há sempre o trabalho de locutor.
Ou fazer sonoplastia (por exemplo: imitar um navio zarpando).
6. Você nunca precisará aprender a ler na Clave de Sol.
7. Se você pegar um resfriado, e daí??
8. Só por diversão, você pode cantar uma nota bem grave, e deixar as
pessoas acharem que se trata de um terremoto.
9. Se você arrotar enquanto estiver cantando, o público vai achar que
faz parte da música...


...mas, e o barítono e a mezzo-soprano? (os pobres mortais.. hehe)

Você já viu, por acaso, algum deles conseguir cantar uma ópera ou ária?
Claro que não!!! Como não tem graça escrever música pra eles, são mais
usados pra encher linguiça!..
.. pois, é.. é a vida de quem canta.. rsrsrs

quarta-feira, 4 de maio de 2011

A China do Futuro? O Futuro é Hoje!

A China do Futuro - por Luciano Pires - Diretor de Marketing da DANA Cosméticos.

Alguns conhecidos voltaram da China impressionados.
Um determinado produto que o Brasil fabrica em um milhão de unidades,
uma só fábrica chinesa produz quarenta milhões...
A qualidade já é equivalente. E a velocidade de reação é  impressionante.
Os chineses colocam qualquer produto no mercado em questão de semanas...
Com preços que são uma fração dos praticados aqui.

Uma das fábricas está de mudança para o interior, pois os salários da
região onde está instalada estão altos demais: 100 dólares.
Um operário brasileiro equivalente ganha 300 dólares no mínimo que
acrescidos de impostos e benefícios representam quase 600 dólares.
Quando comparados com os 100 dólares dos chineses, que recebem
praticamente zero benefícios.... estamos perante uma escravatura
amarela e, pior que isso, estamos a alimentar tal situação.

Horas extras? Na China...? Esqueça !!!
O pessoal por lá é tão agradecido por ter um emprego que trabalha
horas extras sabendo que não vão receber nada por isso...

Parece uma grande bobagem.. só parece..

Mas aí vc diz: - Ah, mas é muuuito mais barato, vou economizar!!!
Aí eu te digo: - Tá, ok, mas e se o teu emprego dependesse disso,
compraria mesmo assim?

Então leia na íntegra, por favor, e comente o que pensa sobre o texto, oks?

Não se trata de comoção com a situaçãop do cidadão chinês, mas porque
atrás dessa "postura" está a grande armadilha chinesa.
Não se trata de uma estratégia comercial, mas sim de uma estratégia de
"poder" para ganhar o mercado ocidental.

Os empresários chineses estão tirando todo o proveito da atitude dos
'marqueteiros' ocidentais, que preferem terceirizar a produção ficando
apenas com o que ela "agrega de valor": a marca.

Dificilmente você adquire atualmente nas grandes redes comerciais dos
Estados Unidos da América um produto "made in USA". É tudo "made in
China", com rótulo estadunidense.

As empresas ganham rios de dinheiro comprando dos chineses por
centavos e vendendo por centenas de dólares...
Apenas lhes interessa o lucro imediato e a qualquer preço.
Mesmo ao custo do fechamento das suas fábricas e do brutal desemprego.
É o que pode-se chamar de "estratégia preçonhenta".

Enquanto os ocidentais terceirizam as táticas e ganham no curto prazo,
a China assimila essas táticas, cria unidades produtivas de alta
performance, para dominar no longo prazo.

Enquanto as grandes potências mercadológicas que ficam com as marcas,
com o design...suas grifes, os chineses estão ficando com a produção,
assistindo, estimulando e contribuindo para o desmantelamento dos já
poucos parques industriais ocidentais.

Em breve, por exemplo, já não haverá mais fábricas de tênis ou de
calçados pelo mundo ocidental. Só haverá na China.

Então, num futuro próximo, veremos os produtos chineses aumentando os
seus preços, produzindo um "choque da manufatura", como aconteceu com
o choque petrolífero nos anos setenta. Aí já será tarde de mais.
Então o mundo perceberá que reerguer as suas fábricas terá um custo
proibitivo e irá render-se ao poderio chinês.

Perceberá que alimentou um enorme dragão e acabou refém do mesmo.
Dragão este que aumentará gradativamente seus preços, já que será ele
quem ditará as novas leis de mercado, pois será quem manda, pois terá
o monopólio da produção.

Sendo ela e apenas ela quem possuirá as fábricas, inventários e
empregos é quem vai regular os mercados e não os "preçonhentos".

Iremos, nós e os nossos filhos, netos... assistir a uma inversão das
regras do jogo atual que terão nas economias ocidentais o impacto de
uma bomba atômica... Made in China, claro!

Nessa altura, quando o mundo ocidental acordar será muito tarde.

Nesse dia, os executivos "preçonhentos" olharão tristemente para os
esqueletos das suas antigas fábricas, para os técnicos aposentados
jogando baralho na praça da esquina, e chorarão sobre as sucatas dos
seus parques fabris desmontados.

E então lembrarão, com muita saudade, do tempo em que ganharam
dinheiro comprando "balatinho dos esclavos" chineses, vendendo caro
suas "marcas- grifes" aos seus conterrâneos.

E então, entristecidos, abrirão suas "marmitas" e almoçarão as suas
marcas que já deixaram de ser moda e, por isso, deixaram de ser
poderosas pois foram todas copiadas....

Reflitam, e comecem a comprar produtos de fabricação nacional,
fomentando o emprego em seu país, pela sobrevivência de seus amigos,
de seus vizinhos e até mesmo da sua própria e de seus descendentes.

Bom.. eu não sei vocês.. mas isso eu já havia percebido há algum
tempo. E olha que não é a longo prazo, as coisas já estão difíceis pra
quem produz aqui! Depois de ter pensado muito, e a muito custo, me
recuso a comprar produtos chineses desde que percebi essa importância.

Prefiro ficar sem ter algo de que preciso por algum tempo do que
aumentar o desemprego em meu país, e quem compra qualquer coisa de
origem "Xing-Ling" contribui, e muito, pra nossa própria extinção
econômica.


Pois é.. vai comprando "balatinho" pra ver.. vai!

terça-feira, 3 de maio de 2011

Estratégias e técnicas para a manipulação da opinião pública e da sociedade

ATENÇÃO! Texto muito interessante!

Obs: Retrata muito bem como funcionam as mirabolantes técnicas de diversos políticos, empresários, gente rica sem escrúpulos e outros tipos de manipuladores.

Mostra também, de forma abrangedora, como a massa se torna refém das elites na sociedade.

por Sylvain Timsit

1- A estratégia da diversão

Elemento primordial do controle social, a estratégia da diversão consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e da mutações decididas pelas elites políticas e econômicas, graças a um dilúvio contínuo de distrações e informações insignificantes.

A estratégia da diversão é igualmente indispensável para impedir o público de se interessar pelos conhecimentos essenciais nos domínios da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética.

"Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por assuntos sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar, voltado para a manjedoura com os outros animais" (extraído de "Armas silenciosas para guerras tranquilas").

2- Criar problemas, depois oferecer soluções

Este método também é denominado "problema-reação-solução". Primeiro cria-se um problema, uma "situação" destinada a suscitar uma certa reação do público, a fim de que seja ele próprio a exigir as medidas que se deseja fazê-lo aceitar. Exemplo: deixar desenvolver-se a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público passe a reivindicar leis securitárias em detrimento da liberdade. Ou ainda: criar uma crise económica para fazer como um mal necessário o recuo dos direitos sociais e desmantelamento dos serviços públicos.

3- A estratégia do alongamento

Para fazer aceitar uma medida inaceitável, basta aplicá-la progressivamente, de forma gradual, ao longo de 10 anos. Foi deste modo que condições sócio-económicas radicalmente novas foram impostas durante os anos 1980 e 1990. Desemprego maciço, precariedade, flexibilidade, deslocalizações, salários que já não asseguram um rendimento decente, tantas mudanças que teriam provocado uma revolução se houvessem sido aplicadas brutalmente.

4- A estratégia do diferimento

Outro modo de fazer aceitar uma decisão impopular é apresentá-la como "dolorosa mas necessária", obtendo o acordo do público no presente para uma aplicação no futuro. É sempre mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro porque a dor não será sofrida de repente. A seguir, porque o público tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que "tudo irá melhor amanhã" e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Finalmente, porque isto dá tempo ao público para se habituar à ideia da mudança e aceitá-la com resignação quando chegar o momento.

Exemplo recente: a passagem ao Euro e a perda da soberania monetária e econômica foram aceitas pelos países europeus em 1994-95 para uma aplicação em 2001. Outro exemplo: os acordos multilaterais do FTAA (Free Trade Agreement of the Americas) que os EUA impuseram em 2001 aos países do continente americano ainda reticentes, concedendo uma aplicação diferida para 2005.

5- Dirigir-se ao público como se fossem crianças pequenas

A maior parte da publicidade destinada ao grande público utilizam um discurso, argumentos, personagens e um tom particularmente infantilizadores, muitas vezes próximos do debilitante, como se o espectador fosse uma criança pequena ou um débil mental. Exemplo típico: a campanha da TV francesa pela passagem ao Euro ("os dias euro"). Quanto mais se procura enganar o espectador, mais se adota um tom infantilizante. Por quê?

"Se se dirige a uma pessoa como ela tivesse 12 anos de idade, então, devido à sugestibilidade, ela terá, com uma certa probabilidade, uma resposta ou uma reação tão destituída de sentido crítico como aquela de uma pessoa de 12 anos". (cf. "Armas silenciosas para guerra tranquilas" )

6- Apelar antes ao emocional do que à reflexão

Apelar ao emocional é uma técnica clássica para curtocircuitar a análise racional e, portanto, o sentido crítico dos indivíduos. Além disso, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para ali implantar ideias, desejos, medos, pulsões ou comportamentos...

7- Manter o público na ignorância e no disparate

Atuar de modo a que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para o seu controle e a sua escravidão.

"A qualidade da educação dada às classes inferiores deve ser da espécie mais pobre, de tal modo que o fosso da ignorância que isola as classes inferiores das classes superiores seja e permaneça incompreensível pelas classes inferiores". (cf. "Armas silenciosas para guerra tranquilas" )

8- Encorajar o público a comprazer-se na mediocridade

Encorajar o público a considerar "natural" o fato de ser idiota, vulgar e inculto...

9- Substituir a revolta pela culpabilidade

Fazer crer ao indivíduo que ele é o único responsável pela sua infelicidade, devido à insuficiência da sua inteligência, das suas capacidades ou dos seus esforços. Assim, ao invés de se revoltar contra o sistema econômico, o indivíduo se auto-desvaloriza e auto-culpabiliza, o que engendra um estado depressivo que tem como um dos efeitos a inibição da ação. E sem ação, não há alteração!...

10- Conhecer os indivíduos melhor do que eles se conhecem a si próprios

No decurso dos últimos 50 anos, os progressos fulgurantes da ciência cavaram um fosso crescente entre os conhecimentos do público e aqueles possuídos e utilizados pelas elites dirigentes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o "sistema" chegou a um conhecimento avançado do ser humano, tanto física como psicologicamente. O sistema chegou a conhecer melhor o indivíduo médio do que este se conhece a si próprio. Isto significa que na maioria dos casos o sistema detém um maior controle e um maior poder sobre os indivíduos do que os próprios indivíduos.

"O Brasil não passa de um imenso Paraguai" - A. Pertence

"O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons." Martin Luther King.